sexta-feira, abril 29, 2005

Lisboa fora

Marcos Lisboa está fora.

quarta-feira, abril 27, 2005

Dica excepcional do Leo Monasterio

Como sempre...dica do Leo: Confederação Nacional de Municípios
Boys named Sue....:-D

Veja você mesmo: Boys Named Sue: Disruptive Children and their Peers.

E é sério!
Vá a Brasília...mas ponha a mão na carteira

Eis aí um fórum em um lugar, no mínimo, curioso... :-)

IV Global Forum on Fighting Corruption

The IV Global Forum on Fighting Corruption – From Words to Deeds, will be held from June 7 to 10, 2005, in Brasilia - Brazil, aiming to discuss practical and effective means of preventing and fighting corruption.

In Brazil, the Global Forum is being organized by the Office of the Controller General (CGU), an agency of the Presidency of the Republic, in cooperation with the International Committee, the United Nations Office against Drugs and Crime (UNODC) and “Transparência Brasil” (Brazil Transparency). Eight workshops and five panels have been conceived to promote the discussion of issues such as international conventions, money laundering, public procurement, electronic government, corruption measurement, conflict of interests, civil society, and corruption at the local level.

I. International Conventions
First session: Effective Implementation of International Conventions
Second session: Building and Evaluating Monitoring Mechanisms
Special session: Ensuring the Visibility of Conventions and Monitoring Mechanisms

II. Money Laundering
First session: Asset recovery
Second Session: International cooperation against Money Laundering
Special session: Lessons Learned

III. Public Procurement
First session: Improving the efficiency of public procurement systems
Second session: Evaluation of public procurement systems and institutions
Special session: Improving disclosure

IV. E-government
First session: E-government as a managerial tool
Second session: E-government as a tool for accountability
Special session: Improving visibility

V. Measuring corruption
First session: Measuring integrity
Second session: Economic impact of corruption
Special session: Uses of indicators

VI. Conflict of interest
First session: Rules and Tools for managing Conflict of Interest
Second session: Business Ethics and Public Interest
Special session: Private and Public Information (what to protect, what to disclose)

VII. Civil Society
First session: Improving Mechanisms of Control
Second session: Controlling the comptroller: accountability of CSOs
Special session: Improving access to information

VIII. The Local Level
First session: Controlling the remote: challenges and solutions
Second session: The challenges of decentralization
Special session: Improving visibility over local expenditure

PANELS
I. The role of the Media
II. Improving integrity in border and fiscal agencies
III. Political Financing
IV. Law enforcement
V. Ombudsman and Similar institutions

The Global Forum on Fighting Corruption and Safeguarding Integrity is a multilateral meeting. The first meeting of the Global Forum on Fighting Corruption and Safeguarding Integrity between Legal and Safety Employees was held in 1999, in Washington, USA. The II Global Forum was held in Hague, the Netherlands, in 2001, and the III Global Forum was held in Seoul, South Korea, in 2003.


For more information contact:

www.ivforumglobal.org.br
ivforumglobal@cgu.gov.br
Executive Secretariat
Phone/Fax: 55 61 4126716
Brasilia - Brazil
Se já é difícil fazer correlações, imagine explicá-las sem falar asneiras...

Este é um exercício ao qual se dedica o excelente prof. Tabarrok.

Olha a correlação:


[se não aparecer, vá ao post, linkado abaixo]

E as conjecturas...

Police cause crime! Some Marxists buy into that conclusion but it's really no surprise that places with a lot of crime have a lot of police. Estimating the true effect of police and crime from observational data is difficult because police and crime are determined jointly.

Ideally, to estimate the true causal effect of police on crime, we would run an experiment, randomly picking weeks in which we increased police presence and observing the effect on crime. Experiments like this, however, are expensive and some might say unethical. If we look carefully, however, we might find natural experiments - times when police presence increased for reasons that are random with respect to crime.

Jon Klick and I look at just such a natural experiment in a paper published in the most recent JLE, Using Terror Alert Levels to Estimate the Effect of Police on Crime (subs. required, free version). When the terror alert system kicks up a notch the police in Washington, DC put more police on the streets. We find that crime in DC drops significiantly during these high-alert periods, especially in the National Mall area where most of the prime terror-targets are located. Street crimes like auto theft and theft from automobiles show especially large decreases when more police hit the street. We find no evidence that tourism or other demand side factors account for the decline in crime.


Thanks profs Cowen and Tabarrok for more of this marginal revolution...
Por onde anda meu amigo Marcus?

Ele está no 5o Liberty Forum anual, da Atlas Economic Research Foundation. E ainda vai conhecer muita gente legal por lá.
Andre Gunder Frank (1929-2005) *



Murió el sábado en Luxemburgo

Fue uno de los creadores de la teoría de la dependencia y compañero de lucha en los hermosos tiempos de la batalla contra las injusticias sociales en los años sesenta

Victor Toro Ramirez
La Haine

Andre Gunder Frank murió el sábado derrotado por el cáncer. Uno de los creadores de la teoría de la dependencia y brillante representante de la teoría de sistemas mundiales, Andre fue más que todo un incansable luchador político contra toda manifestación de injusticias en nuestras sociedades.

Precisamente por eso, fue siempre combatido por el mundo académico internacional, lo cual lo condenó a vivir un exilio permanente.

Para nosotros, los chilenos, además de su gigantesca estatura intelectual, Andre fue un compañero de lucha en los hermosos tiempos de la batalla contra las injusticias sociales en los años sesenta, durante el gobierno de Salvador Allende, miembro del MIR, y después en la lucha internacional contra los militares asesinos y terroristas dirigidos por el dictador Pinochet.


Escribimos con dolor estas líneas sobre la muerte de un amigo y compañero durante mas de cuarenta años, pero también las escribo como una manera de decirle simplemente:

Hasta la Victoria, Siempre, Andre.

Victor Toro Ramirez
23 abril 2005

Nota de Correspondencia de Prensa: André Gunder Frank, nacido en Alemania y doctorado en economía en la Universidad de Chicago en 1957. Profesor en diversas universidades de Europa, Africa, América Latina y Estados Unidos. Entre sus obras más notables se encuentran "Lumpenburguesía: lumpendesarrollo" (Serie Popular Era, México, 1971-1974-1978-1981) y "Capitalismo y subdesarrollo en América Latina" (Siglo XXI Editores, México, 1970-1982). Uno de sus últimos trabajos fue publicado por la revista Movimiento bajo el titulo "Tío Sam, el estafador global". Ver: www.revistamovimiento.com.br
Desafiando os números na era do IBGE-48

Leia o trecho abaixo (e clique nele para ler toda a matéria, claro)
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a desafiar os números da economia e o bom senso nesta terça-feira. Na segunda, ele havia afirmado que o brasileiro “não levanta o traseiro da cadeira” para procurar taxas de juros mais baratas nos bancos, o que provocou uma reação forte de empresários, políticos e economistas.

E o IBGE só pode soltar resultados de pesquisa após 48 horas de exclusividade para o seu patrocinador-mor: o Executivo. Não é incrível?

O que preocupa é o que pode vir depois...

terça-feira, abril 26, 2005

Eu conheço o autor!

Testei o Skype hoje com o a esposa do autor deste artigo. Claro, falei com ele também. Se não tivesse tanta coisa para fazer....conversaria mais!

p.s. se você acha economia difícil, fique feliz e leia o texto dele :-)
Frase do dia

In ancient times they had no statistics, so they had to fall back on lies. Stephen Leacock
Você acha que o Brasil só melhoria com mais (e mais detalhadas ) leis?

Então veja o que a ciência do comportamento (Economia, em termos mais amplos) anda dizendo a respeito. E não é só teoria. Tem experimento. Um argumento melhor que o simples "blahblahmetrics" de boteco (um lugar onde, estranhamente, deseja-se resolver os problemas da economia mas nunca os relacionados com a viagem à Marte ou a cura da AIDS...).

Abstract do texto:

Most contracts, whether between voters and politicians or between house owners and contractors, are incomplete. "More law", it typically is assumed, increases the likelihood of contract performance by increasing the probability of enforcement and/or the cost of breach. This paper studies a contractual relationship where the first mover has to decide whether she wants to enter a contract without knowing whether the second mover will perform. We analyze how contract enforceability affects individual performance for exogenous preferences. Then we apply a dynamic model of preference adaptation and find that economic incentives have a non-monotonic impact on behavior. Individuals perform a contract when enforcement is strong or weak but not with medium enforcement probabilities. Trustworthiness is "crowded in" with weak and "crowded out" with medium enforcement. In a laboratory experiment we test our model's implications and find support for the crowding prediction. Our finding is in line with the recent work on the role of contract enforcement and trust in formerly Communist countries.
Cola na internet e assédio intelectual cibernético

Marcelo Tas, no Estadão fala de algo que já vi acontecer em todo lugar que trabalho. Vale a pena destacar trechos do texto.

No final do ano passado, comentei aqui um assunto que deu o maior ibope: a cola na internet. Professores e alunos de todo o Brasil escreveram confirmando e acrescentando novos dados ao drama: há uma verdadeira epidemia de plágio descarado nas escolas, incrementado pelo uso da web.

Volto ao assunto, pois tenho novidades. Os preguiçosos incansáveis na busca da perfeição estão usando uma novíssima arma: o Assédio Intelectual Internético. Se quiserem podemos batizá-la com uma sigla: AI2 (AI ao quadrado), para deixar a coisa com um toque mais científico.

Detectei o fenômeno depois de meses de garimpo entre os e-mails que recebo. Isolei com cuidado as mensagens enviadas por estudantes com suspeita de estarem infectados com o vírus do AI2. Compartilho agora com vocês alguns deles. (...)

Vamos ao primeiro candidato: Olá Tas, preciso urgentemente terminar uma pesquisa sobre um assunto que você abordou aí na sua coluna. Se puder me ajude com qualquer informação. Por favor, não demore. Tenho que fazer uma lista de perguntas para entrevistar alunos e também a reitoria de algumas faculdades daqui da região. Nathalia.

De cara, observam-se duas características nos infectados com a síndrome do AI2: a pressa e a ausência. Assim como a Nathalia, em sua maioria esmagadora, o pessoal está sempre com pressa. Usam com insistência ameaçadora a palavra 'urgente'.

A segunda característica, a ausência, parece decorrente da primeira. A aluna, na pressa de passar a batata quente da tarefa que ela própria deveria se ocupar, não se dá ao trabalho de nem mesmo mencionar o assunto que a aflige.

Deixa para destinatário, ou seja eu mesmo, a tarefa de tentar adivinhar ou iniciar um diálogo via e-mail e assim ceder à fisgada do Assédio Intelectual Internético.

Mas, há casos opostos. O aluno não só envia o assunto, como também uma lista de pedidos bem detalhados.

Tas, sou aluno da Fiam e preciso fazer um trabalho sobre Jornalismo On-Line para a próxima terça. Você poderia me responder algumas perguntas via e-mail? Se estiver sem tempo, pode ser por telefone: (segue número do celular dele). Se esqueci de perguntar algo que você queira dizer, por favor, o faça. Muitíssimo obrigado.
E lembre-se de mim quando surgir uma vaga de produtor no seu programa na TV. Ah! Posso roubar uma imagem do seu blog para a minha matéria??? Carlinhos.

Claro, Carlinhos. Quando precisar de alguém com a sua incansável disposição para o trabalho, lembrarei de você, com certeza.

(...)

Acuso grande incidência de casos em alunos, até mesmo do ensino médio, envolvidos com os famigerados TCCs, Trabalho de Conclusão de Curso. Posso estar enganado, mas me parece que esse tipo de avaliação, aparentemente moderninha, cheia de boas intenções, está virando uma desculpa para os alunos matarem aula. Além, é claro, de aliviar a carga de trabalho dos professores.

(...)


Comentários? Já aconteceu com você? Direitos de propriedade mal definidos estes em que alguém quer que você faça o seu (dele) trabalho...

segunda-feira, abril 25, 2005

Ingoranççia na Imprensa (e na academia)

Eu já estou acostumado. Entra ano, sai ano, o Prof. Klering (de ADMINSTRAÇÃO) da UFRGS, publica na Zero Hora o ranking dos PIBs municipais do RS. A metodologia é equivocada e dá resultados muito estranhos. O problema é que agora ele fez o estudo para todo o Brasil. Querem ver, aí vão os resultados para os municípios com maior PIB/capita do RS:

1 Triunfo
2 Aratiba
3 Garruchos
4 Pinhal Grande
5 Candiota

Brasília fica com o terceiro PIB total (e nao per capita!!) do Brasil. Qual é o problema? Ele se baseia apenas no Valor Adicionado Fiscal (VAF) para estimar o PIB. E o VAF só considera as atividades que pagam ICMS. Todo o resto fica de fora.
Outra distorção está na divulgação dos dados: a imprensa não sabe a diferença entre PIB e renda. O PIB municipal estima aonde é gerado o valor e não aonde ele é absorvido pelos residentes. Por isso, Triunfo (RS) e Paulínia (SP), pólos petroquimicos, aparecem na frente. Dependendo das fronteiras dos municípios, os resultados ficam estranhos. Se uma fábrica fica em um município e seus trabalhadores moram em outro, o primeiro vai ter um PIB pib per capita alto e o segundo uma renda per capita alta.
Mas a Zero Hora não sabe disso e sai filosofando.

domingo, abril 24, 2005

Êba

Aumentou o salário mínimo em Cuba! Vai passar de US$4,00 para uns US$8,50.

(A propósito, descobri uma forma ótima de transformar taxistas brasileiros em anti-castristas. Basta contar que os seus colegas de profissão da ilha ganham apenas 1% do faturamento mensal)