sexta-feira, julho 11, 2003

Perguntar não ofende

A notícia abaixo é legal. Tem nada a ver com Economia. Mas eu não resisto à piadinha: e quem fala cantonês? :-)

O Estado de S. Paulo - Estadao.com.br: "Quem fala mandarim utiliza as duas metades do cérebro
Língua é processada diferentemente do inglês, que requer apenas um dos lados "
.

quinta-feira, julho 10, 2003

Lições esquecidas?

O governo anunciou: aumentará a base tributada pelo ISS. Pessoalmente, acho horrível. Mas o governo parece acreditar numa macroeconomia mais simples na qual se tem G - T = deficit. Ora, esta é a macroeconomia que alunos de graduação aprendem. Embora seja uma boa forma de se começar a pensar de maneira mais lógica, ordenada e científica, é uma visão inicial do problema.

Mas, claro, qualquer aluno esperto - e qualquer professor honesto - sabe que G - T = deficit é apenas um início. Se tiramos um pouco dos ceteris paribus e/ou incluímos fundamentos microeconômicos para cada uma destas variáveis, logo descobrimos que quedas em G podem resultar em variações no déficit bem distintas de aumentos em T.

Ah, para o leitor leigo: G = gastos do governo, T = receita de impostos.

Voltando ao assunto, então, veja este ótimo texto (custei a achar ele online...reproduzo-o abaixo) escrito por Delfim Netto com base numa das cartas do prof. Jorge Vianna Monteiro:

O ajuste fiscal - Antônio Delfim Netto

O professor Jorge Vianna Monteiro, do Departamento de Economia da PUC-Rio, publica há alguns anos um boletim chamado "Estratégia Macroeconômica". Trata-se de uma das mais agudas, consistentes e sofisticadas análises das inter-relações entre as questões políticas e econômicas do País, que sempre se lê com imenso proveito. No seu último número, ele levantou o problema de se saber quais são as condições de um ajuste fiscal bem-sucedido. Utilizou um magnífico artigo do economista Roberto Perotti ("The Political Economy of Fiscal Consolidations", no "Scandinavian Journal of Economics", 1998), que é uma resenha do que se sabe, empiricamente, dos ajustes fiscais exitosos.

As conclusões do artigo são:

1) A experiência do pós-guerra dos países da OCDE sugerem, fortemente, que os ajustes fiscais produzidos pela redução das despesas são muito mais consistentes do que os obtidos pela elevação dos impostos.

2) Há alguma evidência de que, quando o ajuste é realizado numa situação de grande pressão (por exemplo uma grande relação dívida/PIB ou grande déficit), ele pode não ter os dramáticos efeitos recessivos deduzidos em algumas teorias macroeconômicas.

Examinando a experiência de 20 países da OCDE, que acumulam 66 episódios de tentativa de consolidação fiscal, definida como sucesso quando o ajuste do déficit primário foi de pelo menos 1,5% do PIB e, depois de três anos, a relação dívida/PIB decresceu pelo menos 5%, os resultados de Perotti foram os seguintes:

1) Dos 66 episódios de grandes ajustes, 14 foram bem-sucedidos: foram aqueles que se apoiaram no corte das despesas, principalmente nas transferências e na folha de pagamento dos governos.

2) Os malsucedidos foram os ajustes que se fizeram pelo aumento dos impostos e pelos cortes das despesas de investimento.

3) A diferença entre os resultados dos ajustes foram significativas: nos ajustes bem-sucedidos a queda das despesas atingiu 2,2% do PIB, enquanto nos malsucedidos ela não chegou a 0,5% do PIB.

4) Nos ajustes bem-sucedidos as transferências caíram 0,5% do PIB, e a folha de pagamentos, 0,6% do PIB, enquanto nos malsucedidos elas se reduziram 0,1% e 0,4%, respectivamente.

5) Nos ajustes bem-sucedidos o aumento de impostos foi de apenas 0,4% do PIB, enquanto nos malsucedidos eles atingiram 1,3%.

6) Nos dois tipos de ajuste, os bem e os malsucedidos, a queda do déficit foi muito parecida, 2,7% e 2,2%, respectivamente. Isso mostra que é a composição, mais do que o tamanho do ajuste, que garante o seu sucesso.

A dimensão recessiva do ajuste está ligada à magnitude do seu efeito sobre a redução da taxa de juros (que, obviamente, depende do regime cambial): se ela for significativa, crescem os valores dos ativos, e o efeito "riqueza" pode produzir uma ampliação do consumo.

Essas lições são importantes para a política econômica brasileira: um ajuste fiscal vigoroso com corte de despesas de custeio e sem aumento de impostos, combinado com uma manobra cambial, pode reduzir rapidamente os juros e ser muito menos recessivo do que se espera.


Então leitor, não é legal? Existe uma versão working paper deste artigo, de 1996, aqui, no excelente NBER. Agora...será que o novo (novo? Já tem 6 meses....) governo não está perdendo uma boa chance?

quarta-feira, julho 09, 2003

Quando a tecnologia entra em campo

Neste artigo da New Scientist temos um belo exemplo de aplicações da tecnologia na solução de um dos mais tristes problemas: o da disponibilidade de órgãos para transplantes. Quem me conhece há mais tempo sabe que gosto de discutir este tema.

O avanço tecnológico citado no artigo - nanotecnologia com possíveis aplicações na reconstrução de órgãos - faz-me pensar se a Terra não será, em futuro próximo, um bem escasso para tanta gente vivendo por tanto tempo....mas isso é no longo-longo-longo-longo-e-mais-ainda-longo prazo...:-)

terça-feira, julho 08, 2003

Quanto mais livre...melhor?

Eu acho que sim. Mas, por via das dúvidas, confira aqui. O novo índice de liberdade econômica do The Fraser Institute saiu e, no link citado, você encontra tudo o que precisa para entender melhor o tema.

segunda-feira, julho 07, 2003

O que é o livre mercado?

Muita gente não sabe o que critica. Eu mesmo, se criticar Física Quântica, estarei incorrendo neste erro. Bem, muita gente critica o mercado sem entender, corretamente, o que o mesmo significa. Indo um pouco mais além, alguns criticam o livre mercado, confundindo-o com o mercado. Bem, talvez seja apenas questão de semântica. Talvez não. Alguns economistas vão dizer que o mercado pode ou não funcionar (a culpa é das externalidades, do monopólio natural e da indefinição dos direitos de propriedade).

Bem, aí temos um bom filão para debates. Coase mostrou que nem sempre é o mercado que não funciona. Como citado acima, um mercado funciona bem, mas pode ter seu desempenho prejudicado pela má definição dos direitos de propriedade. Notou? Às vezes não é tão semântico assim. Enfim, sem entrar mais nesta dicussão, um dos mais famosos defensores do livre mercado foi Murray Rothbard. Particularmente, não gosto muito da sua retórica (prefiro Milton Friedman e David Friedman), mas, sem dúvida alguma, quem quer que deseje entrar nesta discussão tem de ler sua definição (de livre mercado). Ela está aqui.
Tecnologia e Música

Internet + Banda larga + Gravador de CD = Música Gratuita.

Gratuita? Bem, quase. Quando eu ouço uma música MP3, existem o custo de oportunidade do meu tempo. Como esse é um recurso escasso, eu não posso perder tempo ouvindo porcaria.

Todo mundo sabe que a indústria fonográfica tem que mudar, ninguém sabe em que direção, mas é claro que a organização desse mercado está mais do que furada. Uma das possibilidades interessantes é o que esse pessoal do site da Last.fm está fazendo. A idéia é que ela vai fornecer a música de acordo com os gostos ouvinte. Você começa ouvindo uma música e se mudou de canal, ele leva isso em conta. Com o tempo ele ajusta a música ao seu perfil.
Isso traz uma grande mudança para as gravadoras. O algoritmo leva em conta com a opinião dos outros ouvintes também. O princípio é o mesmo do Google ou da Amazon: são os próprios consumidores que avaliam a música. Ou seja, jogue tudo na rede e deixe os consumidores selecionarem o que é bom ou não. Não precisamos mais das gravadoras para filtrarem a boa música.

O sistema só será viável se conseguirem fazer dinheiro disso. Vamos ver se funciona.

O texto que aí embaixo desenvolve essas idéias.

Shirky: The Music Business and the Big Flip

domingo, julho 06, 2003

Estudantes

Dica do Davi (blogeiro do "Os Perspicazes"): esta pesquisa sobre o perfil dos estudantes brasileiros. Não li ainda, mas há alguns dados cujo levantamento eu gostaria de entender.

Entretanto, o gráfico abaixo, da pesquisa, para mim, mostra que aluno ainda usa pouco o computador de forma útil (para o lazer, garanto, todo mundo usa....).