sexta-feira, março 05, 2004

Um Estudo sobre o velho tradeoff da manteiga e do canhão

A gente sempre dá este exemplo em sala de aula: existe um custo de oportunidade de se trocar manteiga por canhão, blahblahblah.

Pois é. Existe mesmo. E, claro, para quem é brasileiro, isso parece, às vezes, meio distante. Mas, e se você fosse um vizinho nosso? Um nicaraguense, por exemplo.

O texto que está, em PDF, neste link, é pouco satisfatório em termos de custos e benefícios desta transição.

E possui uma curiosa afirmação: a de que haveria uma certa assimetria entre líderes civis e não-civis no encaminhar da "manteiguização" (ou "descanhãozação",....credo!) da Nicarágua.

Bom para ler, mas com muito espírito crítico...
Taí uma rara oportunidade para acompanhar um experimento socio-economico

Ao contrario do Ari, meus posts sao meio longos. Este em particular, pois a noticia me parece importante e poucos tem a senha do portal UAI. Segue abaixo a reportagem quase na integra.

A Constituição provisória do Iraque, que deve ser assinada oficialmente esta sexta-feira, está destinada a reger o país a partir de 30 de junho até a realização de eleições gerais no fim de 2004 ou início de 2005.

Esta carta magna provisória define o papel do islã, o lugar das mulheres e confirma a autonomia atual do Curdistão. O texto, composto por cerca de 60 artigos e dividido em nove capítulos, que ainda não foi distribuído, garante as liberdades fundamentais e os direitos da mulher, segundo seus autores. Estes são os pontos principais do texto:

- Prefácio: A Constituição temporária pretende restabelecer a liberdade do povo iraquiano "usurpada pelo antigo regime ditatorial".

- Lugar do islã na legislação: o artigo 7 do projeto final indica que "o islã é a religião oficial do Estado e uma fonte de legislação". "Esta Constituição respeita a identidade islâmica da maioria da população iraquiana, ao mesmo tempo que garante a liberdade total de todas as outras religiões e suas práticas".

- Presidência do país: o Iraque terá um presidente único e dois vice-presidentes. A opção deste presidente depende da natureza do Estado (presidencial ou parlamentar) que ainda não foi decidido, segundo um membro do Conselho de Governo.

- Federalismo: o Curdistão conservará seu estatuto autônomo, enquanto as outras províncias do país poderão preparar um governo local, esperando que esta questão seja solucionada por um governo eleito.

- As eleições diretas: o governo, exercido pela coalizão que ocupa o país e transferirá os poderes em 30 de junho, preparará as eleições gerais para a Assembléia Nacional Transitória "no possível, antes do dia 31 de dezembro de 2004, não podendo passar de 31 de janeiro de 2005". Este texto não indica a forma do executivo que se encarregará do país depois de 30 de junho. A questão da manutenção ou da ampliação do Conselho de Governo transitório deve ser discutida nos próximos meses pelas partes envolvidas.

- O Parlamento permanente: a Assembléia Transitória eleita redigirá uma Constituição permanente antes de 15 de agosto de 2005. Este texto será submetido a um referendo antes de 15 de outubro. Outra eleição direta para renovar a Assembléia será realizada em 15 de dezembro do mesmo ano.

- A representação das mulheres: será de no mínimo de 25% na Assembléia Nacional transitória.

- O idioma: o árabe e o curdo são os dois idiomas oficiais do Iraque, as outras minorias (caldeu-assírias e turcomanas) têm direito a utilizar seus idiomas em seus estabelecimentos escolares.
Vantagens comparativas (para alunos com bom dote de imaginação e mente aberta e, eventualmente, para outros leitores)

Não vou falar nada. Basta dar uma olhada no abstract para ver que há muito mais aplicações de vantagens comparativas do que (não) imagina o aluno (que ainda não leu a matéria, aposto!).

Title: Reconsidering Performance at the Summer Olympics and Revealed Comparative Advantage
Author(s): MOONJOONG TCHA ; VITALY PERSHIN
Source: Journal of Sports Economics Volume: 4 Number: 3 Page: 216 -- 239
DOI: 10.1177/1527002503251636
Publisher: SAGE Publications
Abstract: This article examines the performance of the participating countries at the Summer Olympic Games. It investigates each country's performance and attempts to identify the determinants of this performance in each sport, and also examines other issues related to specialization at these games, using the concept of revealed comparative advantage (RCA) developed in the field of international economics. Each country's RCA is explained by geographical, biological, and economic variables of the participating countries. Most previous studies investigated the correlation between total/per capita performance and a wide range of variables using a range of methods the authors' consider inappropriate. A few studies employed more appropriate censoring methods; however, they did not consider heteroscedasticity or nonnormality in their regressions that could make the estimates inconsistent. In addition, RCA and specialization in the Olympics has never been analyzed. The analyses present the determinants of each country's specialization in sports and the patterns of RCA, which are substantially different from those obtained when analyzing total and per capita performance. The authors found that high-income countries specialize less; in other words, they win medals in a more diversified range of sports, which is analogous to a country's patterns of specialization in production, a topic frequently explored in international economics.
Jorginho Guinle, descanse em paz

Taí um sujeito que realmente maximizou utilidade. Certa vez, foi perguntado o porquê de, tendo nascido muito rico, terminou a vida relativamente pobre. Resposta: "O problema é que vivi demais". Tudo bem que ele não estava por dentro dos modelos de maximização intergeracional, mas soube viver e morrer. Como narra a notícia, ele escolheu o Copacabana Palace para os últimos dias.
Quem gastou mais em armas, em 2002, Paquistão ou Brasil?

Usando dados devidamente ajustados (PPP = Paridade de poder de compra), você descobrirá que, destes dois....

Claro, isto não diz muito (por que não em % do PIB?). Mas o aluno (a aluna) esperto(a) do prof. Shikida deveria perder seu tempo pensando no porquê disto. E o aluno do prof. Gilson (sim, existe uma interseção que poderíamos chamar de evil axes neste semestre) certamente vai querer perguntar-lhe o que é PPP.

Mais um serviço de utilidade pública e gratuita de lições de Economia deste blog.

SIPRI - The 15 major spenders countries in 2002 (pdf)

Dicas (Repetir três vezes, em tom de penitência, encarando-se no espelho da sua casa - "Obrigado professor, o senhor é realmente genial e eu deveria lhe agradecer de joelhos, rezando e fazendo todos os exercícios do livro".):

1. O inventor do PPP, Gustav Cassel.

2. PPP e seu MacDonald's
Como censurar sem usar a canetada

Muita gente disse, incorretamente, que a imprensa americana estava sendo censurada no início da guerra do Iraque. Desculpem amigos, não houve censura.

O que há, aí sim, é uma postura de qualquer imprensa (tenho um amigo que insiste que o governo mineiro atual tenta manipular a imprensa local....mas fica nervoso quando lhe conto das demissões da Gazeta Mercantil, sucursal RS, na era Olívio Dutra (PT)) de, voluntariamente, submeter-se ao poder político.

No caso do Brasil - ao contrário dos EUA - é comum que jornais dependam das famosas verbas publicitárias do governo. Aqueles anúncios oficiais, leitor, custam dinheiro. Houve até um jornalista gaúcho que levantou a bola na era Dutra. Eu me lembro de ter-lhe perguntado sobre o que havia antes daquele governo, mas aí ele não me disse nada.

Enfim, o ponto é: a liberdade de imprensa é melhor que a imprensa censurada pelo governo? Sim. Você vai retrucar: mas aí pode ter auto-censura. Ainda assim, leitor, é melhor do que o mundo da censura oficial. Neste, o meu amigo jornalista pode fazer uma página na internet (esqueci-me do link) e denunciar a tal censura.

Brasileiros acham estranha a discussão norte-americana sobre liberdades. É engraçado. Na hora em que são censurados, eles acham ruim. Quando alguém, no hemisfério norte, reclama de falta de privacidade, o caudilhismo do brasileirinho típico salta aos olhos: "isso é frescura de americano". Diga isso aos presos políticos de 64. Certamente eles não se achavam frescos...

Mas aí vai a notícia.


O Fórum Politicamente Correto

O 3º Fórum Social Mundial atinge o nível de politicamente correto. O que leva a receber bom subsídio do Governo Federal (Petrobrás). Várias instituições universitárias e centros de estudos estão tentando fazer desde 1999, o 5º Encontro Nacional de Estudos Estratégicos(5º ENEE). Pois na última tentativa o então Chefe da Secretária de Segurança Institucional, vetou o apoio, pois poderia trazer críticas ao governo. Mesmo que, os maiores participantes seriam centros de estudos estratégicos universitários, muitos ligados ao atual governo.


Vale dizer, a tal discussão da sociedade organizada não é tão limpa de ajuda financeira, né? Éééééé.....no poder a prática é outra...

quinta-feira, março 04, 2004

Jovem fica com braço implantado na perna por nove dias


Estranho isso no Blog, não? Mas achei no mínimo Impressionante!
Quando todos os alunos tiram "A" o problema é...do professor

Gilson me enviou esta sensacional notícia: Um exame de sonhos na Universidade da Geórgia.

Alguns alunos vão dizer que não há problema. Outros dirão que há. É fácil dizer quem tem razão.
Em homenagem ao Penna-man

Este aí vai pro Penna, meu aluno e frequente comentarista do blog.

Economy Archives - Why Linux Is Wealthier Than Microsoft by Russell Roberts
Concurso para professor adjunto

Eu sei que não é a função deste blog, mas como estamos precisando mesmo de divulgação do concurso para professor efetivo aqui na UFPel. As informações sobre a inscrição estão no endereço abaixo. Por favor, divulguem:

http://www.ufpel.edu.br/pra/concursos/arquivos/edital003_2004.doc

Qualquer pergunta é só entrar em contato comigo.
P: Por que estudar história econômica é mais legal do que acompanhar conjutura?

R: Quem segue a conjuntura econômica fica com essa cara.
Bush parte para o ataque contra Kerry nos EUA


Daqui a pouco vão acusar o Kerry de produtor de ogivas nucleares, novamente sem defesa de Hans Blix. Esperem as barbaridades que vão acontecer neste processo eleitoral nos EUA.


Ver notícia.

quarta-feira, março 03, 2004

O Terrível Problema das Políticas Públicas

Eis aí um bom exemplo de como este debate pode ser tortuoso...

TCS: Tech Central Station - Easy Riders
Mercado de bandidos

"Troca-se perdao pelas lambancas nucleares de Abdul Qadeer Khan pelo direito de buscar Osama bin Laden no Paquistao. Contactar Jorge Arbusto".


Eis a decisão de curto prazo que pode ter efeitos deletérios de longo prazo. Afrouxar a guarda com relação à proliferação de armas nucleares para pegar o bin Laden com fins eleitoreiros pode ser muito mais perigoso que deixar o bin Laden solto e colocar o Kahn & cia. nos seus devidos lugares. Não deixa de ser um exemplo dos trade-offs intertemporais subjacentes às decisões de planejadores sociais supostamente benevolentes. Como minimizar tais trade-offs, eis a questão. Alguém ai tem um portal intergalático ?
Concurso

Eu participaria deste concurso, se fosse aluno de graduação, embora eu ache estranho o parágrafo 1o do artigo 7o. Nele se exige que o sujeito envie curriculum vitae rubricado.

Agora veja, se a participação é limitada apenas a alunos de graduação, por que um curriculum? Ele pode ajudar a evitar candidatos que não podem participar (art 3o, par 4o do edital). Mas também pode viesar o julgamento (considerações ideológicas, favorecimento de amigos, etc).

Será? Tomara que não. Mas depois que o mundo ficou conhecendo Waldomiro Diniz e suas possíveis ramificações, não dá para ter aquela confiança.

De qualquer forma, se você é aluno de graduação, divirta-se com o edital em pdf.
Novo Homem Socialista, Democrático e Popular vem com Nova Matemática?

Segundo a notícia abaixo, o pessoal do governo precisa me pagar (hora-aula com desconto que será, parcialmente, doado ao programa PIB Zero) por umas poucas aulinhas sobre taxas de crescimento.

Ou eles estão errados, ou o pessoal da Primeira Leitura está.

Logo, tenho, no mínimo, alguns alunos potenciais garantidos! :D
Primeira Leitura : Leia : Governo cria fórmula original de calcular crescimento

O leitor interessado deve, ainda, consultar encarte na mesma matéria.

Na verdade, podemos dizer que o novo homem socialista (do mesmo autor de "Outra Matemática é Possível", Fórum Matemático Social, 2004, Porto Alegre - RS) desconhece alguns elementos muito básicos da Estatística, a saber:

a) a própria estatística;
b) séries de tempo;
c) índices de preços e quantidades;
d) taxas de crescimento (e, claro, logaritmos).

Alguém quer ensinar de graça ao leitor sobre taxas de crescimento?
Pense no Haiti, reze pelo Haiti

"A crise no Haiti é outro caso de descarada manipulação norte-americana de um país pequeno, empobrecido, com a verdade não explorada pelos jornalistas."

Quem disse isso? O LFV na Caros Amigos? O Emir Sader no JB? Não. Foi o Jeffrey Sachs no editorial do Finacial Times.

OK, eu não entendo bulhufas sobre a política externa e interna do Haiti. Mas, confesso que fiquei assustado depois de ver a lata do novo chefe.

terça-feira, março 02, 2004

Não estamos tão mal assim ...

É provável que este resultado tenha relação com o que está no post abaixo. O que nos consola é que ainda tem nove países no mundo em situação pior que a nossa. Ufa !

Brasil sobe no ranking da globalização, mas fica atrás de Uganda e Peru
O Brasil subiu cinco pontos e ocupa o 53º lugar no ranking dos 62 países mais globalizados do mundo - uma posição pior do que a de países mais pobres como Botsuana (30º), Uganda (38º), Nigéria (42º), Sri Lanka (51º) e Peru (52º).

Segurança, crescimento e investimento.

Ainda sobre o tema crescimento e investimento, agora com segurnça como variável explicativa adicional. De acordo com recente pesquisa , São Paulo e Rio estão entre as cidades mais perigosas do mundo para se viver. A avaliação é da consultoria americana Mercer Human Resource, que ontem publicou sua classificação anual sobre a qualidade de vida em 215 cidades do planeta.

No ranking geral, elaborado a partir de 39 critérios, a capital fluminense despencou do 108.º lugar em 2003 para 118.º este ano. São Paulo se manteve estável no 107.º lugar, ainda superada por Buenos Aires (Argentina), Santiago (Chile) e Johannesburgo (África do Sul). No que se refere aos critérios de saúde, a capital paulista ocupa apenas a 129.ª posição, superada por Sarajevo (Bósnia), La Paz (Bolívia) e Assunção (Paraguai).

O ranking de qualidade de vida é elaborado para atender às empresas multinacionais que são obrigadas a enviar seus funcionários para todos os cantos do mundo e, portanto, precisam saber quais serão as necessidades de seus representantes estrangeiros em diferentes locais e como deverão trabalhar com eventuais problemas. "O que classificamos é a qualidade de vida de uma cidade para servir a uma população estrangeira", afirma o pesquisador Slagin Parakatil.

A liderança do ranking é compartilhada por duas cidades suíças: Genebra e Zurique. Entre as dez primeiras, ao contrário do que se poderia esperar, não há nenhuma cidade americana, em parte por causa do terrorismo e dos problemas enfrentados por estrangeiros em aeroportos. Como em 2003, São Francisco aparece como a melhor cidade para se viver nos Estados Unidos e ocupa a 24.ª (!!!!) colocação. O último lugar em todo o ranking ficou para Bagdá (Iraque), onde se destaca que nem mesmo a Organização das Nações Unidas (ONU) se atreve a enviar funcionários.

Brasília foi a cidade brasileira melhor avaliada e subiu da 103.ª posição, em 2003, para 102.ª. Já o Rio foi superado por Assunção e Tel-Aviv e sofreu uma das maiores quedas no ranking, juntamente com a saudita Riad, Lima (Peru) e Harare (Zimbábue). Já Manaus passou do 128.º lugar para o 127.º.

A cidade que mais posições ganhou no ranking foi Xangai (China) que, entre 2003 e 2004, passou da posição de número 131 para a de 107, ao lado de São Paulo.

No caso das cidades brasileiras, porém, o que mais pesa de forma negativa é o índice de criminalidade. Em uma escala de 0 a 10 (sendo 10 uma situação de paz), o Rio obteve nota 1. Cidades como Lagos (Nigéria), Bogotá (Colômbia) e Tbilisi (Geórgia) obtiveram a mesma nota da capital do Rio. Bagdá, por exemplo, ganhou nota zero. São Paulo não ficou em uma situação muito melhor e obteve apenas nota 2 (!!!).

Genebra, uma das líderes no ranking geral, ficou com nota 9 em criminalidade, o que significa que crianças, mulheres e qualquer cidadão podem caminhar por praticamente todas as partes da cidade sem temor e a qualquer hora do dia ou da noite.

O critério relacionado à saúde (que inclui água, serviço hospitalar, meio ambiente, etc) também não ajuda as cidades brasileiras. São Paulo aparece na 129.ª posição, enquanto que Brasília aparece na 119.ª posição e o Rio, na 122.ª. Manaus fica no lugar de número 127. Além de saúde e criminalidade, outros critérios do ranking incluem transporte, nível de educação, acesso a produtos de consumo, estabilidade política e lazer.

Pergunto : alguém está disposto a investir, trabalhar ou estudar num lugar com estas condições ?
O Ambientalista Sério

Quem leu O Ambientalista Cético (acho que foi este o nome em português do livro do Lomborg), viu o quanto o ambientalismo moderno não está tão longe da acusação de ter se transformado em uma religião.

Mesmo a Scientific American não deu direito a Lomborg de reproduzir em seu site a polêmica entre ele e os eco-religiosos.

Pois bem, o ponto interessante é que, como em toda seita, quem resolve se afastar da mesma por não acreditar mais no que faz (ou no que os outros fazem) é chamado de traidor ou de nomes piores.

Um deles é Patrick Moore, antigo fundador (dentre outros) do Greenpeace.

Wired 12.03: Eco-Traitor

Finalmente dois ambientalistas em que eu posso acreditar: Lomborg e Moore. O jogo agora melhorou: 2 x 1000000 . Antes era 1 x 1000000. Como dizem as más línguas: "inteligência é um bem muito escasso..." :)

segunda-feira, março 01, 2004

Por que qualquer aluno minimamente esperto deve estudar vantagens comparativas?

Porque, conforme DeLong: Question: What do you think is the most misunderstood concept in your discipline?

Answer: For Economics this question has a stock answer. The most misunderstood concept in Economics is the concept of "comparative advantage."


Então, deixe de ser preguiçoso e vai estudar, meu amigo! E, lembre-se, até cronistas famosos não entendem o conceito (como você viu em um post meu abaixo). Não tenha vergonha: estude, pergunte, estude, faça exercícios, invista seu tempo, estude (etc).
Rent (and sacred)-seeking

Se você é o dono de uma instituição religiosa e resolveu meter-se nos mundo dos negócios terrenos, então deve se submeter às leis de mercado e às leis que o regulamentam?

Veja bem, se entrou no mercado já está sujeito às suas leis. Tanto é assim que o grupo católico citado no link abaixo abriu as portas para não-católicos. A filosofia é simples: pagou, usufruiu.

Agora, a polêmica está em se o plano de saúde que o grupo oferece deve incluir controle de natalidade num de seus itens. Note que a notícia diz que o grupo é uma charitable organization o que me leva a pensar se a legislação dos EUA é diferente da nossa ou não. Afinal, estamos acostumados a ver tais organizações (de caridade) como entidades sem fins lucrativos.

Se for o caso, a polêmica fica mais interessante. Afinal, basta eu entrar no mercado de serviços de saúde dizendo que pertenço a uma religião que não acredita, digamos, em cura para doenças venéreas (por motivos religiosos) para não ofertar este pacote?

Claro, se o consumidor for bem informado sobre isto no ato da assinatura do contrato, não vejo problemas. Mas eis que a polêmica acontece, ironicamente....em San Francisco.

Um caso clássico de busca de favorecimento (rent-seeking) governamental? Não sei.

Yahoo! News - Catholic Group Must Provide Birth Control
Um artigo que merece ser lido

Houve uma época em que você podia ler artigos do Journal of Political Economy sem muito problema matemático. Bem, na verdade, a matemática estava lá, mas nosso instrumental era mais simples.

O mundo, contudo, evoluiu. E o JPE tem artigos bem complicados de se ler se você só fez graduação em Economia.

Mas há uma regra que é constante aos bons artigos: eles possuem idéias novas explanadas de forma clara. Ou boas explicações sobre idéias originais alheias. É o caso deste clássico de 1921 do importante Frank Knight.

Knight, Cost of Production and Price Over Long and Short Periods: Library of Economics and Liberty
Notável

Após ler esta matéria (site requer um registro rápido), eu me pergunto sobre o que você diria se lesse a seguinte manchete: "Governo convida diretor do FMI para um churrasco com cerveja e vinho chileno na Granja do Torto.

Provavelmente, 90% dos (e)leitores iria espernear e xingar o governo FHC ou Collor. Mas o notável, neste caso, é que a notícia é de ontem.

Se alguém achar uma foto, perdida na internet, com dizeres similares a "Fora Lula, Fora FMI", favor me enviar. Afinal, que eu saiba, o MST ou a CNBB não enviaram manifestantes para a Granja no domingo. O que isso prova? Que políticos são racionais: imagine se o churrasco tivesse sido marcado no final-de-semana seguinte ao carnaval...

domingo, fevereiro 29, 2004

"Little Dice is the car-garlic, my name is Little Zé !!!"

Muito provavelmente não vamos ouvir essa frase na noite de hoje. Mas vale a pena torcer. (O Shikida não entendeu a má tradução porque é bobo, não ouve os amigos, e ainda acha que Cidade de Deus é apenas um livro do Santo Agostinho)
Um pouco de otimismo

O Roberto Campos dizia que o Brasil só era otimista entre o Natal e o Carnaval. 2004 confirmou a tese, ainda mais depois que descobrimos que 2003 foi um ano de crescimento zero. Para animar um pouco os leitores do blog aí vai um texto bastante otimista do Jeffrey Sachs sobre o Brasil:

Em ingês:
http://www.project-syndicate.org/commentaries/commentary_text.php4?id=1463&lang=1&m=series

Em espanhol:
http://www.project-syndicate.org/commentaries/commentary_text.php4?id=1463&lang=2&m=series

Eu já escrevi sobre isso, mas o site project-syndicate é muito bom. Tem textos do Alesina, Stiglitz, Blanchard e cia.

Útil para alunos espertos

Alunos que fizeram prova de inglês no vestibular não têm desculpa para não ler textos em inglês. Ainda mais quando estes se resumem a poucas linhas de uma apresentação em "flash".

E, no caso do link abaixo, é sinal de pouca esperteza deixar de acompanhar as apresentações. Ensina-se vantagens comparativas de forma bem simples, usando gráficos.

Divirta-se!

Specialization & Comparative Advantage