sábado, setembro 18, 2004

Quando a agua e' muito suja, e' mais facil medir o grau de poluicao que o grau de pureza. Idem para sociedades.

The opacity index
http://www.economist.com/markets/displayStory.cfm?story_id=3203266

sexta-feira, setembro 17, 2004

Último dia

O último dia do Primeiro Seminário de Economia de Belo Horizonte promete. Todos os organizadores esqueceram das máquinas fotográficas (inclusive eu) e, assim, não terei fotos com os velhos companheiros e amigos Arilton, Burian e Guilhermão que apareceram por aqui. E nem fotos do evento teremos.

Mas as palestras estão ótimas. Quando alunos dizem: "não entendi nada", é bom sinal. Conhecimento não se adquire facilmente e os artigos nem sempre são facilmente compreensíveis. É isto aí. Se você quiser ser como eles quando crescer, comece a estudar. A única coisa que a gente não muda mesmo é a morte (por enquanto).

quarta-feira, setembro 15, 2004

Quem disse que a curva de demanda e' linear ?

Para quem acessar a noticia, sugiro prestar atencao na primeira figura.
http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=294ENO001
Humor-taliça

Humor nas mensagens trocadas por alguns dos membros deste blog:

Gilson envia: [subject: maravilhas do direito chinês]

O governo chinês executou nesta terça-feira quatro pessoas, entre elas, funcionários de dois dos quatro maiores bancos estatais do país, condenados por fraude bancária no valor de US$ 15 milhões, segundo a agência oficial de notícias Xinhua.

Os casos envolvem o China Construction Bank e o Bank of China. O funcionário da agência do China Construction Bank na província de Henan (região central da China), Wang Liming, e um cúmplice, Miao Ping, roubaram US$ 2,4 milhões utilizando documentos falsos, segundo a Xinhua. Um outro oficial do banco, Wang Xiang, foi condenado por outro roubo no mesmo valor. O funcionário da agência do Bank of China da cidade de Zhuzai (sul do país), Liang Shihan, foi acusado do desvio de US$ 10,3 milhões, disse a Xinhua.

Os casos foram as mais recentes em uma série de prisões e execuções por crimes do colarinho branco que o governo chinês vem fazendo às vésperas da vendas de ações de seus bancos estatais.

Em fevereiro, o ex-chefe da agência de Hong Kong do Bank of China, Liu Jinbao, foi preso. Em dezembro, o ex-chefe do China Construction Bank, Wang Xuebing, foi sentenciado por 12 anos por aceitar propinas.

O governo da China pretende sanear os bancos antes de 2007, quando o setor deverá ser aberto à concorrência com instituições privadas. O governo chinês injetou US$ 45 bilhões nos dois bancos com o objetivo de reforçar o setor bancário do país e prepará-lo para as ofertas públicas de ações.

A agência não divulgou como os banqueiros foram mortos, mas as execuções na China em geral são feitas com um tiro na nuca. O país, no entanto, tem começado a fazer execuções com injeção letal.

O número exato de pessoas executadas na China não é conhecido.


Gilson Geraldino

Shikida responde:

Conclusao: temos de executar o diretor do IBGE deles. É só ler a última frase.
Quer censurar e regulamentar a produção artística? Sou italiano, não desisto

Esta vale pela história e pelo paralelo com o que ocorre atualmente no Brasil: Ayn Rand nasceu em São Petersburgo, Rússia, em 2 de fevereiro de 1905. Testemunhou, portanto, já adolescente, a Revolução Russa. Ela sofreu duplamente com esse acontecimento. Primeiro, como toda família de classe média, do ponto de vista material. Segundo, porque desde muito cedo ela revelou grande interesse intelectual e a falta de liberdade que se instalou na Rússia soviética tornou a vida insuportável. Assim, em 1926, Ayn Rand consegue imigrar para os Estados Unidos onde, inicialmente, fixou residência na casa de parentes em Chicago. Após alguns meses mudou-se para Los Angeles onde viveu quase duas décadas produzindo roteiros para filmes e escrevendo os romances Anthem (1938) e The Fountainhead (1943), traduzido para o português sob o título A nascente.

É curioso notar que os dois primeiros romances de Ayn Rand foram levados para as telas. We the living teve uma produção pirata na Itália fascista sem o conhecimento de Ayn Rand. Quando as autoridades italianas compreenderam a mensagem ideológica favorável à liberdade individual, o filme foi proibido na Itália e só depois da guerra se soube da produção. O segundo romance foi produzido em Hollywood e dirigido por King Vidor, tendo Gary Cooper no papel principal.


p.s. The Fountainhead é um dos melhores livros que já li.

terça-feira, setembro 14, 2004

Rapidinhas para alunos de primeiro, segundo e terceiro período

Furacão e preços do petróleo: há relação? Resposta aqui.

E, para os que já foram alunos de primeiro período, uma notícia sobre as imperfeições de ações coletivas aqui.

Finalmente, veja a razão que você tem para dizer: "Fora Lula, fora FMI e fora Banco Mundial" (Gilson vai adorar esta).
Bem público, mal público

Nem eu, nem Colin Powell concordamos com a hipótese conspiratória de tom "Ku-Klux-Klan" de que o exército dos EUA adora mandar hispânicos e negros para a linha de frente de combate em conflitos. Isto é tão óbvio que a maior parte dos expulsos e condenados no caso daquela prisão iraquiana são...brancos. (nem vou discutir o óbvio: os caras se revoltariam ao perceber que só havia companheiros de cor na primeira linha de combate...)

Mas isto não torna a discussão da alocação de soldados irrelevante. Por exemplo, o governo federal insistiu e conseguiu enviar tropas para o Haiti. Supostamente, trata-se de uma boa estratégia para "ocupar espaço diplomático". Ok. Mas como foram escolhidos estes caras? Segundo esta matéria, até agora, o Brasil só enviou 2,9 mil soldados dos 6,7 mil previstos. E, curiosamente, boa parte deles são de quartéis gaúchos.

Claro, há um fato histórico (quase todos os bons ditadores militares saíram do RS) que liga a região de fronteira com a forte presença militar. Mas a guerra do Paraguai já passou há muito tempo.

Minha pergunta é: por que existe esta desigualdade regional em termos de envio de brasileiros para o estrangeiro? Simples burocracia/logística militar (e.g. uma divisão de trabalho regional acordada entre os generais)? Ou há alguma ação de grupos de interesse que não percebo?
O BNDES no caminho errado?

Por que favorecer um setor às custas de outros? Pergunta muito bem respondida por Frederik Bastiat há mais de um século e ainda não aprendida por alguns burocratas. O novo risco está no setor aéreo.

O problema é a hipótese teórica subjacente às ações do BNDES neste governo: "nós sabemos para onde ir, vocês não". Se isso fosse verdade, o governo romano ainda seria absoluto no mundo...
Tecnologia

Tome cuidado antes de desobedecer um oficial. Vem aí: Robotech, Robocop, etc. Confira aqui.

segunda-feira, setembro 13, 2004

Prêmio

Você, estudante, que fez vestibular, está na universidade, e realmente usa o inglês com desenvoltura, deveria considerar o prêmio cujo "edital" reproduzo abaixo.

Nada como a informalidade dos americanos, bem menos burocrática que o nosso modo latino de ser. Mas, sou brasileiro, não desisto, quero mostrar ao mundo como nossa burocracia é melhor....:).

2005 OLIVE W. GARVEY FELLOWSHIP COMPETITION --
Top Essays To Be Awarded $2,500 (Students) or
$10,000 (Untenured Faculty)

The Independent Institute is pleased to announce
the 2005 Olive W. Garvey Fellowship Competition.
Cash prizes will be awarded to outstanding
college students -- and untenured "junior"
faculty -- from around the world through a
competitive essay contest. Held biennially, the
Garvey Fellowship is intended to encourage and
reward scholarship pertaining to the meaning and
significance of economic and personal liberties.
The specific essay topic changes with each
contest.

This essay topic for 2004-2005 is taken from a
quotation by Nobel-laureate economist and social
philosopher Friedrich A. Hayek (1899-1992): "The
great aim of the struggle for liberty has been
equality before the law."

A panel of three judges will look for the best
essays related to Hayek's quotation -- original
essays distinguished by their clarity, rigor, and
eloquence. The essays need not be technical or
demonstrate hyper-specialized scholarship,
although they should be serious in content, tone,
and style.

Founded in 1974, the Garvey Fellowship has
attracted thousands of young scholars, many of
whom have subsequently become noted academicians,
journalists, and business leaders. Beginning in
2003, the Garvey Fellowships also offers awards
in a separate category for junior faculty members
(untenured).

STUDENT DIVISION: College students up to the age of 35:
First Prize: $2,500
Second Prize: $1,500
Third prize: $1,000

FACULTY DIVISION: Junior faculty members up to
the age of 35 and not yet tenured:
First Prize: $10,000
Second Prize: $5,000
Third Prize: $1,500

ELIGIBILITY: 1) Student Division: Any student 35
years or younger enrolled at a recognized college
or university anywhere in the world. 2) Junior
Faculty Division: Untenured college or university
teachers, Assistant Professor or higher, 35 years
or younger.

LENGTH (double-spaced typescript): Student essays
must not exceed 3,000 words. Teacher essays must
be 5,000 to 8,000 words long.

DEADLINE: May 1, 2005

For more information, including eligibility
requirements, a suggested reading list and
examples of past winning essays, see
http://www.independent.org/students/garvey/.

For more on Friedrich A. Hayek, see:

"Hayek's Road Comes to an End," by Julian L. Simon (4/13/92) http://www.independent.org/newsroom/article.asp?ID=311

"Friedrich Hayek and the Future of Liberty," an
Independent Policy Forum transcript featuring
Alan Ebenstein and Charles Baird (5/16/01) http://www.independent.org/events/detail.asp?eventID=19

Norman Barry's review of HAYEK'S POLITICAL
ECONOMY: The Socio-Economics of Order, by Steve
Fleetwood (THE INDEPENDENT REVIEW, Fall 1997) http://www.independent.org/publications/TIR/article.asp?issueID=32&articleID=405

"Does Hayek Speak to Asia?" by Chandran Kukathas
(THE INDEPENDENT REVIEW, Winter 2000)
http://www.independent.org/publications/TIR/article.asp?issueID=23&articleID=273
Impactos economicos dos crimes virtuais sobre o mundo real

PF diz que 80% dos hackers estão no Brasil
De cada 10 hackers ativos no mundo, oito vivem no Brasil. Além disso, cerca de 2/3 dos responsáveis pela criação de páginas de pedofilia na internet têm origem brasileira. No Brasil, as fraudes financeiras que utilizam internet e correios eletrônicos já superam, em valores financeiros, os prejuízos de assalto a banco. (...)
http://www.estadao.com.br/tecnologia/internet/2004/set/13/175.htm

Quem pegou o meu xixi?

Há por aí um livro de auto-ajuda com um nome parecido com este. E há um livro sacaneando este livro de auto-ajuda. E eu apenas peguei carona no título para falar desta notícia na qual eu descobri que companhias farmacêuticas pagavam uma grana por urina.

Contudo, a urina dos senhores seres humanos apresenta, segundo a matéria, desvantagens que exigiam um certo custo por parte dos laboratórios para torná-la útil para seus estudos. Aí entra a criatividade humana (Hayek, Hayek, Hayek!!). Uma empresa entrou no ramo fabricando urina sintética.

Até aí a notícia é engraçada e interessante. Mas considere esta: alguns caras andam querendo que a empresa lhes venda esta urina para burlar testes anti-doping e coisas parecidas!

Novamente é a criatividade humana em ação. Curiosa notícia, certo, mas é um bom exemplo de que incentivos importam. [a pergunta para quem gosta do governo é: como o governo fará para evitar a falsificação sem barrar o avanço tecnológico da urina sintética?]

E agora vou ao banheiro. Com licença...

domingo, setembro 12, 2004

Araraquara

Posted by Hello

(da esquerda para a direita, na tradição de um bom canhoto) - Lamounier, Marcondes, Gail, Ame, Gabriel, Colistete, Leo, Yolanda, Summerhill e Roquinaldo.

Faltaram outros, mas eis aí uma foto do encontro de Araraquara que ficou legal.
Novos links fixos

Aí ao lado, fruto do encontro de Araraquara e da ansiedade do Leo Monasterio:

1. Projeto de Imagens de Publicações Oficiais Brasileiras do Center for Research Libraries e Latin American Microform Project

2. The Oxford Latin American Economic History Database (OxLAD)

Basta procurar ao lado.
Summerhill, Gaspari, D. Pedro II e Lula, tudo em um mesmo post.

O William Summerhill é professor da UCLA, um grande pesquisador, será pai em breve e, comforme pude comprovar em Araraquara, é muito gente boa. Além disso, ele orientou o Shikida no doutorado sanduíche e -certamente o ponto alto de sua vida - é leitor deste blog (veja o comentário n.13 do post de 9/9 abaixo) .

Bem, quando ele ler o Elio Gaspari de hoje verá que um paper seu na Economic History Review (v.51, n.3) citado na coluna. O jornalista usa o trabalho para comparar o apoio de D. Pedro II às ferrovias com as PPP do Lula. Legal!